sexta-feira, 27 de julho de 2012

A ENCOMENDA




Supermercado. Super. Super fila única para o caixa rápido para consumidores de até 20 volumes. Uma única fila de caixa rápido para 20 volumes e 12 caixas preferenciais vazios. Não sou cliente preferencial. Pego a fila do caixa rápido. Seis pessoas a minha frente. Na minha mão uma garrafa de vinho tinto seco. R$ 11.90. Tenho R$12.00. Na verdade nem são meus. Foi uma encomenda. Um favor prestado. Eu não vou beber o vinho, nem comer o queijo. Deixei os palitos de dente na prateleira do mercado. Preferi trazer o vinho. O painel chama gradativamente os consumidores, um a um para os caixas. Cola atrás de mim um ser. Camisa de botão e calça social. Nas mãos um pacotinho de Ruffles Original tamanho pequeno. A fila demora. Ele se inquieta e começa a massagear o pacotinho. O barulho me irrita. A sinfonia do painel e do pacotinho massageado. Ele insiste. Dou uma olhada pra trás e meço a figura da cabeça aos pés. Ele distante, massageia o pacotinho incessantemente com um olhar apaixonado, como quem tenta desnudar seu pré jantar. Meu nível de irritação aumenta. O painel apita. Um passo a frente. Ele cola novamente atrás de mim. Massageia, massageia... Ergo a garrafa de vinho na altura da cabeça dele e solto em volume máximo: "PORRA! "RUFFLES ORIGINAL"???? TAMANHO PEQUENO? CARALHO!!!! SE PELO MENOS FOSSE "RUFFLES SALSA E CEBOLA" TAMANHO GRANDE ... ARGH!!!! QUE IRRITANTE!". 
Acho que preciso trepar.


Paula Miasato 

2 comentários:

Marli Pizzi disse...

Paula, estou aqui torcendo por você. Fique boa, volte logo e vai voltar hein? Cheia de novidades, cheia de poemas novos para embebedar nossa alma.

Um forte abraço.

Alberto Carlos disse...

Muito bom o texto! Achei por acaso procurando algo sobre lagartixa. A internet tem disso, às vezes, achamos coisas muito boas no mais completo acaso. Parabéns pela excelente capacidade de nos fazer imaginar a cena de forma perfeita!
Pensei num final bem diferente e fui surpreendido...