segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

O amor e a solidão



  • (ou o amor é a solidão)


    "hum...
  • é isso
  • o amor é solitário
  • o amor é sozinho
  • o amor é uma coisa só.
  • nao dá pra compartilhar
  • nem curtir
  • saca?
    o amor é o deus que toma conta de tudo
    o amor é o deus q fode com a gente
    o amor é filho da puta.
    o amor é maldito!"

    Confesso que o mar e o álcool do final de semana (simultaneamente em ação) destrancaram uma portinha que... eu sempre falo que deve se manter fechada, mas dificilmente as pessoas concordam comigo: a porra da portinha da caixinha de Pandora (que na verdade nem era de Pandora, era de Epimeteu). Sim, Pandora, aquela que fudeu tudo. Aquela bela maldita. Mulher: bicho curioso e demoníaco. Maldita a hora em que Epimeteu recebeu essa caixa dos deuses. Que porra de deuses são esses que presenteiam uma figura com uma caixa onde são guardados todos os males? Que assassino, largar isso na mão de um homem... E... para a alegria da galera lá estava ela: Pandora, a curiosa que não conseguiu se conter e foi lá meter a mão no que não devia, no que não era seu e... fudeu com tudo. Merda! Aí vem neguinho me falar que lá não tem só coisa ruim, tem também a esperança... Ah! Me economize! Esperança de que? Pra que? Esperança de não se fuder por completo? Abriu, fudeu. A esperança é tímida, ela nunca vai sair de lá, está lá dentro, guardada desde a primeira vez em que a caixinha foi aberta. Esperança covarde, nem mostra a cara... Esperança é coisa para os fracos. Esperança é coisa pra gente sem iniciativa, coisa pra quem espera, já diz a palavra. Sou mulher de caminho, não de espera. Não paro na encruzilhada.
    Enfim, chego em casa e, trocando idéia com o Thiago nos brota o assunto "amor". O Thiago ficou mal, jogou o maço de cigarros no lixo por 10 segundos e voltou lá pra pegar de volta. Precisava fumar, precisava beber, só tinha bebida no posto, precisava ir até lá, mas estava de cuecas, descalço. Sugeri que fosse assim mesmo. Ele não foi, ou melhor, foi, mas não da forma que sugeri. Voltou, bebeu, fumou.
    Só sabe o que é o amor quem o viveu. Ele é provisório, a gente se joga nele sem rede de proteção, a gente ama sozinho, a gente se fode sozinho. O amor meu bem, o amor é um grande filho da puta. Só quem já o conheceu sabe da sua falta de caráter. O amor é só concessão. É maldito. É amarra. É cadeado sem chave, é labirinto.
    Torça pra não encontrar com ele.
      • "mas a gente sempre precisa de alguém
      • mesmo nao precisando de ninguém
      • a gente sempre tem alguém
      • provisoriamente alguém
      • algo
      • tipo

      • provisoriamente temporário.



          • sempre é assim...
        • sempre...
          • amar fode tudo.
          • pena q nao temos controle sobre essa bosta que é o amor...
        • amar é posse?
          • é discurso?
          • é hipocrisia?
        • amar é uma merda!



            • Eu amei.
            • fui...
            • sem limites...
            • até perceber que eu era só.

              O amor é solidão."

              Paula Miasato / Thiago

Um comentário:

Caos disse...

Liindo. Adorei Paula. Pôxa, fiquei até emocionado, de verdade.