quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Criança.




cala a boca
molha a minha
e me obedece.

não percebe
que suas flores
doces e vermelhas
são só botões?

toma a minha,
orvalhada, definida,
com a língua,
com os dedos,
com o pau.
Esta que não é tua.

Sorrio e lambo
seus joelhos calejados
e sangrados
pelo endeusamento.

Sorrio o gozo
de olhos abertos.
fumando um Djarum Black.


Paula Miasato

Um comentário:

Thiago Panda disse...

Oi Paula!
Navegando por aí a procura de novos escritos, me deparei com os seus!
São reflexões e pensamentos poéticos que vieram daí e parabéns por registrar o que "ficou guardado"
Inté!